O belo

O belo não tem dono. Não é propriedade de ninguém, é apropriação difusa. É raro, mas é acessível por todo mundo. É consumido sem compreensão. Queremos protegê-lo, tomá-lo, mas ao mesmo tempo não há sentido em escondê-lo. O belo é ambíguo porque é domínio e escravidão. Ele precisa aparecer, mas ao se mostrar ele se perde. Se espatifa em centenas de pedaços, se torna vulgar. Ele é eterno mas também efêmero, é gelo com aparência de mármore: parece sólido porém invariavelmente se desfaz com o tempo.

O belo é benção para os que observam e é maldição para si mesmo.

One thought on “O belo

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *