Categories
Tóin

Sobre a torre de Neukölln

O tempo na torre

tempo de referência

tempo no alto

sinônimo de confiança

tempo passado

desconectado, defasado

ponteiros piscando de cansaço

tempo isolado

ignorado, desqualificado

tempo de pedra

imutável, incontestável

tempo de perda

tempo de merda

Categories
Pois é

Meu mundo

Nada mais vai no caixão
Categories
Tóin UoPeople

Programming 1 na UoPeople – Debugging

E já se foram alguns cursos compartilhados aqui desde que comecei a série de textos sobre a University of the People. Testei formatos diferentes procurando manter a estrutura mais ou menos coesa: linhas gerais do curso, pontos fortes, fracos, desafios e dicas gerais. O objetivo sempre foi lançar uma luz no caminho, não mostrar os detalhes do trajeto.

Parte desse esforço é egoísta. Cada postagem me força a revisar o curso e isso me ajuda a internalizar o que estudei. É também uma oportunidade de refletir sobre o que aprendi, e, principalmente, sobre como eu aprendi. Esse é o aspecto mais interessante do processo de aprendizado, na minha opinião. O “como” e o contexto. É entender o que está acontecendo no mundo enquanto aprendo determinado tópico e como isso afeta esse processo de internalização do conteúdo.

É um equilíbrio difícil. Ao criar um espaço público para compartilhar as minhas ideias, estabeleço invariavelmente um compromisso com o mundo externo. Preciso ser compreendido pelos outros. Não estou falando sozinho. O ato de compartilhar envolve ação e reação. É um ciclo que se retroalimenta. Abrir-se para o mundo envolve risco. E de que vale se arriscar se não for de corpo inteiro? De que vale se manter na zona de conforto no meio do desconhecido?

Essa postagem é sobre o curso de Programming 1 na University of the People, mas não de uma forma óbvia. Dessa vez não vou falar sobre o syllabus do curso, nem sobre os discussion forums, ou sobre os learning journals. São tópicos pontuais que podem ser escritos por qualquer um e já são publicados com prazo de validade limitado. Pouco significa falar que programamos em Java, que utilizamos Netbeans como IDE, ou que os Programming Assignments possuem 25% de peso na nota final. Isso foi assim há um ano atrás.

O objetivo-chave é o que podemos fazer de prático com esse conhecimento. É responder no quê Programming 1 acrescentou na minha vida. É explicar quais ferramentas adquiri para contribuir com algo, nem que esse algo seja um único grão de areia no castelo da humanidade. Programação Orientada a Objetos, Herança, Polimorfismo, Classes, Interface Gráfica e Estrutura de Dados: o que significa tudo isso para o mundo atual?

Nesse processo de reflexão pessoal é fácil deixar o pessimismo dominar tudo e revelar a resposta mais horrenda de todas: Eu não sei o que tudo isso significa. Entendo os conceitos. Aprendi ao longo do curso sobre estes e tantos outros tópicos considerados “essenciais”. É isso que Programming 1 cobre. Tópicos básicos sobre programação. Mas isso não significa nada sem objetivo. É como olhar um martelo e entender que ele serve para bater um prego, mas nunca utilizá-lo.

Eu faço aqui um convite e uma provocação. De agora em diante só vou falar enquanto bato o prego.

Categories
UoPeople

Polimorfismo em Java

Na unidade 6 do curso de Programação 1 aprendemos o conceito de polimorfismo, termo derivado do grego poli — muitos —, e morpheus — forma, estrutura. Uma das tarefas é discutir polimorfismo no contexto de programação orientada a objetos e dar um exemplo de como implementar essa funcionalidade em Java.

Revisando as anotações achei que a minha abordagem foi interessante. Segue para a apreciação, com pequenas modificações.


The world around us is polymorphic. We can see this almost everywhere: people, animals, cars, books, languages, houses. As humans, we seek to differentiate ourselves from others. We like to think and show that we are unique up to a point in which other people still recognize us as humans. Up to a point that they still can relate and interact with us.

Something similar happens with a programming language like Java. The ability to instantiate and handle multiple objects together make complex programs easier to handle, manage and develop. It is expected that complex software keeps evolving and including new functionalities with time. Imagine that if for each new functionality you have, you need to review previous objects and update old code to fit each new features included. It can easily become a complex and time-consuming task. Polymorphism is a powerful solution that avoids a lot of code rework and guarantee program fluidity. Citing Oracle Java documentation definition, “subclasses of a class can define their own unique behaviors and yet share some of the same functionality of the parent class.” (Oracle, 2017)

Imagine the following Language superclass and English subclass.

class Language {
    void toHear(Language hear) {
    // Method to hear some language
}
toSpeak(Language speak) {
    // method to speak some language
    }
}

class English extends Language {
	void toHear(English hear) {
	// specific instructions to hear and understand the English language.
	}
	toSpeak(English speak) {
	// specific instructions to hear and understand the English language.
	}
}

Imagine that in the example above you have multiple language subclasses and want then all to “work” in their own language. Of course that this is a simplified example, but the same method toSpeak would call a specific response for each object (aka each language), a unique behavior, while still sharing some functionality from the parent class.

Reference: Oracle (Ed.). (n.d.). Polymorphism. Retrieved October 18, 2017, from https://docs.oracle.com/javase/tutorial/java/IandI/polymorphism.html

Categories
UoPeople

Programming 1 – Learning Journal

Escrevi isso no diário de classe de Programming 1 na University of the People. Idos de 2017. Estou revisando minhas anotações para o texto sobre o curso e achei interessante compartilhar isso aqui em separado. Segue.

Learning Journal – Unit 4

The process of developing a program with subroutines was very enlightening to me in the overall programming learning process. If in the Programming Fundamentals course we were presented to conceptual models like flowcharts and pseudocode, now we actually use the tools that break the problem into manageable steps and make complex ideas possible to handle.

I know that it can be a naive feeling, but it is a realization that programs are simpler than I originally imagined. Not in the sense that they are easy. Now it is also much more clear to me the amount of effort behind complex software and systems. But they are done in manageable steps. There are several foundations done many years ago that are still used as the basis to systems that are developed nowadays. I do not remember quite well where I read the phrase from one of the Unix OS developers that was surprised by seeing lines of his code in almost every operating system that we use today.

There is this concept of the human colossus: the realization that we build everything on the shoulders of many scientists and inventors that came before us. Being a “genius” in that sense is always a humble process. Humanity is a collective effort and somewhat this is especially intense when we study software development.

As you can see, my feelings on this unit are more philosophical. Routines and subroutines building on top one of another. Black boxes and the recognition that a lot around us have mysterious internal dynamics that we simply do not think about, just trust, use, and even put our lives on its hands. This makes me understand the importance of the work that I might decide to do and the projects that I might get involved in the future. In our times, lines of code can save many lives, but they also can kill many. If in the last learning journal I talked about the importance of studying math to be a better developer, now I see the importance of philosophy and ethics behind what we do and the tools that we have at our disposal. It should not be only about a good job and salary. I must be about us all, the humanity and the human colossus.