Categories
UoPeople

Estudantes da UoPeople: Greyce Riquinho

Foto de Greyce Riquinho no escritório da door2door em Berlim, Alemanha.
Greyce Riquinho, estudante da University of the People e programadora na door2door

O interesse por uma universidade ou curso normalmente envolve algumas questões previsíveis: O curso é difícil? Quanto tempo leva para se formar? Tem diploma no final? Quais são as matérias mais difíceis? Ele é reconhecido no Brasil?

Todas são perguntas válidas, porém acredito que elas focam em questões que não tocam no que deveria ser central em tudo o que envolve educação: o que os alunos fazem durante e depois do curso? Existem projetos multidisciplinares? Existe uma empresa júnior? Os alunos são engajados em alguma causa?

Para mim, educação deve gerar, na maioria das vezes (nem sempre, portanto), um produto prático. Educação deve falar com a população, deve desenvolver algo com a sociedade, deve empoderar o indivíduo e a comunidade em seu entorno.

É por isso que histórias como a da Greyce Riquinho, colega na UoPeople, merecem destaque. Histórias que revelam o impacto prático do poder da educação, especialmente quando a educação é flexível e acessível. Sua história está disponível em detalhes no blog oficial da empresa em que trabalha, door2door. É uma história inspiradora, e que revela o poder da educação em conjunto com a determinação de se reinventar. Sem dúvida é do interesse de todas e todos que se interessam em estudar, mas têm dúvidas se existe algum resultado “real” depois de tanto esforço. É claro que a universidade não é individualmente responsável pelo sucesso da Greyce. A história dela é o resultado de inúmeras variáveis, algumas que só ela sabe quais são. Mas não deixa de ser um exemplo de sucesso, e um exemplo de que temos colegas engajadas em projetos e empregos incríveis em todos os cantos do mundo.

Categories
Política Recomendação

Não dá para terceirizar luta e posição na vida

Com a palavra, Eliane Brum, em coluna intitulada Protestos contra cortes na educação: EU + UM + UM + UM+

Categories
UoPeople

Introduction to Statistics – Manual de Sobrevivência

63% dos estudantes da UoPeople desistem após falhar no curso de Introdução à Estatística.

A sentença acima é falsa, mas só de ler já dá ansiedade. Exemplo tosco do poder da estatística. Assim começo a postagem dedicada ao curso de Introduction to Statistics da University of the People.

Do que se trata

O curso foca nos conceitos básicos de estatística descritiva e probabilidade, especialmente em preparar o estudante a pensar “estatisticamente”. Ao longo das unidades fazemos análises simples, baseadas em dados-modelo fornecidos pela universidade. Estatística inferencial será o foco de outro curso, que será compartilhado posteriormente aqui no blog.

É sempre válido apresentar uma lista com os tópicos principais, assim dá uma noção do que é esperado do estudante: Variáveis discretas e contínuas, distribuição de amostras, teorema do limite central (Central Limit Theorem), lei dos grandes números (Law of Large Numbers), aproximação binomial, variância, desvio padrão, etc. O pacote básico completo de um curso introdutório.

O detalhe das teorias matemáticas não é o foco. Elas são apresentadas sempre sob uma ótica prática. O curso utiliza a linguagem R nos exercícios, portanto é necessária a instalação do programa. Esse ponto faz o curso não ser muito amigável para dispositivos móveis (se alguém souber de bons apps que rodam R, por favor, compartilhe).

Recursos do curso

Conforme citado acima, usamos bastante a linguagem R ao longo das unidades. Instalar e se familiarizar um pouco com ela antes do curso começar pode ajudar, mas dá para ir aprendendo durante os estudos sem problema. O livro de referência se chama “Introduction to Statistical Thinking (With R, Without Calculus)”, de Benjamin Yakir. O título é auto explicativo e o livro é bom!

A qualidade dos materiais, exercícios e discussões é acima da média se comparado aos outros cursos, mas, — sempre tem um “mas” —, recomendo estudar pelo Khan Academy antes, durante e depois. Os tópicos mais complicados (Z-Scores, por exemplo) são muito bem explicados no Khan. Sei que essa é minha recomendação em quase todos os cursos, mas não consigo evitar. É difícil superar a didática do Sal.

Estrutura

Adivinhou? Pois é. UoPeople sempre consistente. Aqui também tem Learning Journal, Discussion Forum, Programming Assignments, e Graded Quiz. Vamos por partes:

Learning Journal

Ele segue o padrão de revisar os conceitos e aprendizados da semana. A grande surpresa deste curso para mim foi a instrutora, Jessica Rouen. Foi a melhor que tive até o momento, incluindo vários cursos que ainda não compartilhei no blog. Sem dúvida ela foi uma grande motivação para o curso. Além das revisões, toda semana tem três pequenos exercícios para postar no Journal: funções importantes em R, estimativa de horas de estudo, definição de conceitos (distribuição de amostra x distribuição de uma amostra, por exemplo), e até a elaboração de dicas que você daria para outros estudantes que irão fazer o curso.

Discussion Forum

Da instalação do R até a probabilidade de amostras. Uso de aproximações e modelos matemáticos. Pensamento crítico na análise de dados e dos resultados. Por que utilizar determinado modelo? Para que ele serve? Quais os pontos sensíveis? A maioria dos temas exploram o pensamento crítico sobre o resultado estatístico. Aprendemos que não é sobre calcular cegamente, mas conhecer a origem dos dados, possíveis inconsistências e falácias nos resultados.

Graded Quiz

São duas avaliações durante o curso e uma avaliação final. O peso das três avaliações representa 60% da nota, então é essencial se familiarizar com as questões, fazer todos os Self-Quiz e revisar sempre que possível.

Final Exam

Segue o padrão do Graded Quiz, por isso a importância de estudar bem as questões. O exame é proctored, o que significa que ele deve ser acompanhado pessoalmente (ou online) por um observador. É permitido usar o console do R, o livro do curso, e anotações. Calculadoras básicas são permitidas, mas nada de celular, tablet ou calculadora do computador! Meu método foi criar um documento com um resumo de todas as unidades, com a lista das fórmulas principais e funções de R mais comuns. Foi o suficiente para assegurar uma boa nota, ainda que tenha exigido um certo esforço!

Considerações Finais

É sempre importante lembrar que o objetivo da estatística não é efetuar mil cálculos complicados, com resultados indecifráveis. É saber usar ferramentas que permitam estabelecer sentido no meio do oceano de dados que temos ao nosso redor.

Os métodos estatísticos nos ajudam a chegar ao que se chama de “best educated guess”. Um palpite baseado em conceitos sólidos. Um palpite com esteróides, por assim dizer. Para isso é necessário lidar com a coleta, análise, interpretação, e apresentação de dados. É uma ciência útil para todos os campos, mas que também forma a base teórica dos campos mais “avançados” do momento, como ciência de dados e machine learning. Não perca a oportunidade de fazer esse curso com dedicação! Pode ter a certeza de que ele será útil no futuro.

Categories
UoPeople

College Algebra na UoPeople

Após longa pausa estou de volta com mais uma postagem da série de cursos da UoPeople. Um dos motivos do retorno é por conta do preparo que costumo fazer antes de retomar os estudos. Esta semana volto com Databases 1.

A revisão de College Algebra é especialmente especial porque é um dos cursos que geram mais perguntas dos estudantes. Também é o que causa mais ansiedade. É natural. Matemática não é o forte da maioria e a educação brasileira é, digamos, deficitária neste quesito. O objetivo aqui é tirar um pouco dessa ansiedade, ou pelo menos ajudar na identificação dos pontos fracos e fortes. Ficamos ansiosos com o que não conhecemos.

 

Descrição do Curso

O objetivo é fornecer uma base sólida em álgebra, trigonometria e geometria analítica. Quando se diz base, é porque realmente serão tópicos demandados nos demais cursos adiante, como Introdução à Estatística, Cálculo e Matemática Discreta, por exemplo.

O curso inclui o estudo de funções lineares, quadráticas e racionais, além de introduzir funções exponenciais, logarítmicas e cálculo de círculos. Mais uma vez, tópicos que serão revisitados em outros cursos adiante.

 

Dinâmica

O material principal do curso é o livro Precalculus, de Carl Stitz e Jeff Zeager. As unidades basicamente demandam o estudo autônomo dos capítulos, com sugestão de exercícios para completar em cada capítulo. Temos também aqui o fórum de discussão, peer-reviewed exercises e o learning journal.

A dificuldade de cada unidade varia bastante. Me considero um estudante fraco em matemática, mesmo assim não tive dificuldades específicas para aprender os conceitos. De qualquer forma, considerando a grade curricular padrão no Brasil, classifico o curso como sendo relativamente difícil. As unidades de polinomiais, funções logarítmicas e exponenciais e trigonometria são especialmente desafiadoras. A parte de trigonometria especialmente por ser no final do curso, quando já estamos com menos energia. Algumas, por outro, são relativamente simples, como funções e sistemas de equações.

Claro que essa percepção irá variar bastante de aluno para aluno, bem como a familiaridade prévia dos conceitos de cada unidade.

 

Crítica

Para mim, em termos de estrutura, College Algebra foi um dos cursos mais fracos da UoPeople até o momento. O conteúdo é espremido no conceito de discussion forum + learning journal + peer-reviewed exercises + self-quiz + graded quiz. Na prática não funciona muito bem. O instrutor da minha classe não estimulou o engajamento no fórum e as discussões foram, em sua maioria, burocráticas e entediantes. Alguns exercícios foram confusos, e o livro não é um exemplo de didatismo. São faltas graves no contexto de um curso online que se propõe acessível e moderno.

 

Exame Final

O formato do exame final é semelhante ao dos quizzes apresentados nas unidades, porém não espere perguntas repetidas ou simples. Creio que a prova é gerada aleatoriamente e no meu caso caíram várias questões de trigonometria, o tópico que estudei menos.

A prova deve ser realizada sob a presença de um supervisor. Como sempre, utilizei ProctorU pela comodidade e não tive problemas. Dentre os exames finais, este é o que possui as instruções mais detalhadas. É permitido o uso de calculadora simples, o que quase ninguém mais têm hoje em dia. Calculadora científica, celulares, tablets e dispositivos similares são proibidos. Não pode checar cadernos nem materiais de referência.

 

Dicas

A principal, de longe, é: revise o conteúdo com antecedência e estude por vias alternativas! É importante identificar os pontos fortes e fracos e atacar os fracos antes do curso começar. Os prazos são curtos, o conteúdo é intenso e matemática enferrujada não se azeita em dois meses. Use e abuse de sites como Khan Academy ou similares. O ritmo de estudo nele pode ser lento, mas os tópicos são explicados com muita qualidade. Você aprende a lógica por trás dos conceitos, o que o material deste curso, assim como a maioria dos materiais de matemática, não sabe ou não tem espaço suficiente para fazer com sucesso. A sensação é quase como ter um tutor particular.

Segunda dica: caso não entenda determinado tópico, não hesite em pedir ajuda para o instrutor, colegas ou grupos de estudantes. A inteligência coletiva faz milagres e as pessoas costumam ter recomendações excelentes.

Terceira e última dica: mantenha a consistência! Esse ponto foi o meu maior erro e afetou significativamente a minha performance no curso. Não deixe as coisas para o exame final. Complete todos os exercícios, por mais tediosos que eles possam ser. O esforço pode ser um pouco maior, porém é distribuído e fará você depender muito menos da nota no exame final. Nele os exercícios são aleatórios e alguns mal-diagramados. Não dependa da sorte.

Espero ter ajudado. Como sempre, caso tenham dúvidas, deixem um comentário!

Categories
UoPeople

Sobre Globalization na UoPeople

Considero que este foi o meu primeiro curso “real” da universidade. Não é um curso que ensina como estudar, que foca em regras de formatação acadêmica e organização de anotações. O tópico é Globalização e o objetivo é debater o assunto de forma estruturada ao longo das oito unidades. Foi nele que meu inglês foi realmente testado, bem como minha capacidade de pesquisa, síntese e escrita. Foi também o primeiro curso em que encontrei alguns pontos negativos sobre a universidade, que serão mencionados abaixo.

 

Objetivos do Curso

Segundo o plano de aulas, temos o seguinte:

– Explicar os conceitos e debates básicos sobre globalização econômica.

– Identificar e explicar os impactos da globalização em seus vários aspectos.

– Analisar a complexidade da globalização, suas múltiplas perspectivas, posições dos grupos de interesse e críticos entre várias culturas, bem como desenvolver sua própria visão sobre a questão.

– Sugerir estratégias e métodos para reduzir os danos e os impactos negativos do processo de globalização.

São tópicos amplos. O primeiro ponto que destaco dos itens acima, e que se comprova ao longo das unidades, é que o curso exige pesquisa, posicionamento e postura crítica. No curso este ponto quanto à postura crítica é realmente chave para o sucesso nos trabalhos.

 

Esforço esperado

Sei que esta é a principal dúvida de quem lê uma postagem como essa. Minha sensação é que o curso não foi especialmente exigente, porém muitos colegas desistiram do curso na primeira semana, comentando que ele exige muita leitura.

Isso é correto e incorreto ao mesmo tempo. O curso começa exigente e ao longo das unidades vai se tornando mais fácil e um tanto repetitivo. O fichamento de leitura da primeira semana, por exemplo, ficou com mais de 12 páginas. Ao longo das unidades, porém, esse número se reduziu para 4 ou 5 páginas de anotações, em média. O esforço maior, portanto, é na primeira unidade. Não se assuste! Diria que dá para levar com tranquilidade investindo cerca de 6-8 horas semanais.

Meu instrutor no curso exigia um mínimo de palavras nos trabalhos. Uma postagem no fórum de discussão, por exemplo, deveria ter pelo menos 100 palavras. Submissões no Learning Journal, 500 palavras. Os trabalhos escritos, entre 700 e 1200 palavras. Somando tudo isso realmente dá uma quantidade respeitável por semana (cerca de 2000 palavras), especialmente para quem não gosta ou não tem costume de escrever.

 

Materiais de estudo

O curso não tem um livro específico. O principal recurso é o site Globalization101.org, um projeto do Instituto LEVIN, da Universidade Estadual de Nova Iorque. É um dos meus pontos “negativos” do curso, pois é um material relativamente desatualizado. Por exemplo, um dos textos sobre Tecnologia ainda destaca o Orkut como rede social popular! A primeira unidade, com mais leituras, possui fontes mais diversificadas, porém isso diminui da metade do curso para o final.

O lado positivo é que se espera uma postura ativa do aluno para pesquisar além dos materiais fornecidos. Os conhecimentos adquiridos no curso de English Composition 1 e Online Education Strategies vêm a calhar e a sensação é que a lógica de como os cursos são ordenados faz todo o sentido.

Minha dica para o aluno ansioso é ler os artigos do site 101 antecipadamente. Se familiarize com os assuntos antes do curso começar. Minha recomendação dos tópicos principais abordados: Fundo Monetário Internacional (FMI), Banco Mundial, Bretton Woods, Metas de Desenvolvimento do Milênio, Declaração dos Direitos Humanos, internet como plataforma econômica, cultural e política, Subsídios Agrários em Países Desenvolvidos, BRICS, UNASUL, Joseph Schumpeter, Dra. Vandana Shiva.

 

Posicionamento nos textos

Este item é sempre complicado, pois a construção intelectual é algo profundamente pessoal. Entretanto duas dicas básicas, e talvez um tanto óbvias, valem como guia genérico para todos os trabalhos.

  1. Não é esperado apoio incondicional aos textos. É esperada, sim, uma postura crítica sobre o assunto, com posicionamento pessoal claro e estruturado.
  2. Todos os trabalhos devem ter referência externa. Formato APA, citações, paráfrases (vide English Composition 1 e OLS). O suporte de materiais que indiquem que o aluno pesquisou é obrigatório.

Como exemplo de estrutura, compartilho um dos exercícios de redação. O tema foi destacar um exemplo de efeito negativo da globalização. Escolhi falar da construção da BR-364 com recursos do Banco Mundial, seus efeitos no desmatamento e posteriormente no conflito de terras que levou ao assassinato de seringueiros, entre eles Chico Mendes. Subi o texto no Medium aqui.

 

Considerações Finais

O curso é interessante, pois aborda um tópico “familiar” de maneira relativamente profunda e multifacetada. O termo “globalização” costuma aparecer nos noticiários de forma superficial e poucas pessoas conseguem elaborar sobre seus efeitos ou desenvolver uma opinião estruturada à respeito.

A grande vantagem da UoPeople neste quesito é a educação compartilhada e a revisão entre os alunos. Existem poucas universidades no mundo com um corpo estudantil tão diversificado, em todos os sentidos (cultural, econômico, social). São grandes as chances de entrar em contato com visões totalmente diferentes da nossa a respeito da Globalização.

Esta é, inclusive, uma das vantagens para estudantes brasileiros. Fazemos parte de um país em desenvolvimento (até quando?), localizado na América do Sul, até hoje fora dos grandes centro de pesquisa, desenvolvimento e de influência global. Trazer a nossa perspectiva para classe é super relevante. Percebi que era capaz de participar das discussões com profundidade. Ao longo do curso fui capaz de refinar os motivos que me levaram a estudar na UoPeople e entender um pouco mais sobre minha posição no mundo.

Minha recomendação final é que o aluno começando a UoPeople não desista por conta da primeira semana. É comum ter Globalization junto com Online Education Strategies como os dois primeiros cursos de “graduação”. São cursos que fazem bastante sentido no início dos estudos, portanto não recomendo deixar para depois!